Malbec World Day – Curiosidades sobre o Malbec.

Atualizado em 17/04/2020

Olá,

Muitos de vocês, que me conhecem um pouco mais, podem pensar que Malbec é minha uva favorita visto que sou um grande defensor da casta. Na verdade minhas uvas favoritas são a tradicional Cabernet Sauvignon e a exótica Bonarda, mas são os vinhos varietais da Malbec, principalmente os Argentinos, os que mais provei, com mais de 650 rótulos e safras desta casta.

Nada mais justo que hoje, 17 de abril, o Malbec World Day, fazer uma homenagem a essa uva emblemática na Argentina e amplamente utilizada em outros países.

Origem do nome:

Achei 3 versões para origem do nome, sendo as duas primeiras bastante similares.

Contam, mas não provam, que um camponês húngaro chamado Malbek, responsável por um viveiro de plantas, foi o primeiro a identificar essa cepa, e foi o responsável por difundi-la na região de Cahors e posteriomente em Bordeaux, na França. Com o tempo, o nome da uva teria sido adaptado de Malbek para Malbec.

A segunda é que na antiga província de Quercy, o produtor Monsieur Malbeck (de onde obviamente deriva o nome do vinho Malbec) conseguiu esta variedade após cruzar duas espécies de uva.

Outra explicação para o nome, é que Malbec é uma alusão a “mauvais pic”, expressão em francês que significa “mau pico”, em função do sabor áspero e amargo típico da expressão dessa uva em Bordeaux.

Origem da uva:

A origem do Malbec encontra-se no sudoeste da França. Ali era cultivada e com ela se elaboravam vinhos denominados de “Cahors”, devido ao nome da região, reconhecidos desde os tempos do Império Romano. Estes vinhos foram consolidados na Idade Média e acabaram de se fortalecer na modernidade.

Da França para a Argentina.

A uva Malbec chegou à Argentina em 1853, pela mão do francês Michel Aimé Pouget (1821-1875), agrônomo contratado por Domingo Faustino Sarmiento para levar adiante a direção da Quinta Agronômica de Mendoza.

Seguindo o modelo da França, esta iniciativa propunha incorporar novas variedades de cepas como meio para melhorar a indústria vitivinícola argentina. Em 17 de abril de 1853, com o apoio do governador de Mendoza, Pedro Pascual Segura, o projeto foi apresentado perante a Legislatura Provincial, visando fundar uma Quinta Normal e uma Escola de Agricultura. Este projeto foi aprovado com força de Lei pela Câmara de Representantes em 6 de setembro do mesmo ano.

No final do século XIX, e pela mão dos imigrantes italianos e franceses, a vitivinicultura cresceu exponencialmente e, com ela, o Malbec, que rapidamente se adaptou aos diversos terrois da Argentina, inclusive, se desenvolveu melhor do que em sua região de origem. Desta forma, com o passar do tempo e com muito trabalho, perfilou-se como uva insigne da Argentina.

O Malbec na Argentina, em números:

  • A produção Argentina de Malbec equivale a 59% da produção mundial dessa uva.
  • A uva mais representativa do país ocupa 17% dos vinhedos e 12% da produção total de videiras. Mas corresponde a mais da metade das exportações de vinhos finos.
  • Se considerarmos apenas a produção de vinhos tintos de alta qualidade, a importância do Malbec é muito maior. em 2018 representou quase 38% da oferta de videiras para esse destino. Em seguida ficaram as variedades Bonarda (16%), Cabernet Sauvignon (13%), Syrah (11%) e Merlot (4%).

Origem do Malbec World Day.

A data de 17 de abril foi estabelecida pela Wines of Argentina, entidade responsável pela imagem do vinho Argentino no mundo, em 2011, como dia para festejar sua casta emblemática. Faz referência ao Dia da Lei, que foi o dia da criação da primeira escola de enologia na Argentina.

Dicas de Malbec:

E pra fechar o Post, indico 5 vinhos Malbec, produzidos na América do Sul, com características diferentes e muita qualidade:

1. Noemia Malbec – Produzido na Patagonia Argentina, de videiras plantadas em 1932, é um dos principais rótulos argentinos nessa casta. A primeira safra foi a de 2001 e a atual é a de 2014.

2. Nosotros Malbec – Mais um dos ícones argentinos nessa cepa, é produzido no Vale do Uco. Já provei 5 safras e é difícil eleger a melhor. Na safra 2013 levou 99 pontos de James Suckling.

3. Colomé Altura Máxima – Produzido em Salta, na Argentina, o nome provém da extrema altitude em que a vinha se encontra, e como recebe muito mais sol e muito menos proteção UV, produz uvas de casca mais espessa que proporcionam um paladar mais robusto, sustentado por uma acidez fresca. Provei duas safras e tem longo potencial de guarda.

4. Cru D’Exception Malbec – produzido pela bodega uruguaia Família Deicas, em Mendoza na Argentina, traz o DNA uruguaio de uma das maiores vinícolas desse país. Normalmente encontrado apenas no Uruguai.

5. Viu 1 – Obra de arte da chilena Viu Manent, na minha opinião é o melhor Malbec (ou COT como é conhecida) do Chile. Vem do Vale do Colchagua de videira de mais de 80 anos.

E hoje a noite teremos uma comemoração! Acompanhem por nossas redes sociais o Malbec Day!

Instragram: vaocubo

 

12 comentários em “Malbec World Day – Curiosidades sobre o Malbec.

    1. Belo artigo. Na minha humilde opinião, pelo menos aqui no Brasil, a malbec está entre as castas mais populares e queridas. Diria até que, na vida de todo enófilo brasileiro, houve uma “fase malbec”, quando por um período (ou até para sempre) a casta foi a preferida (pra mim, está intrínseco que quando falo de Malbec me refiro à Argentina). Passei 02 anos da minha vida nesta fase. Com certeza é uma das minhas preferidas.

      Curtido por 2 pessoas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s