Curiosidades sobre Rearrolhamento de Vinhos.

Amigos,

O novo Post do Blog traz uma nova contribuição do Confrade Ivan Ribeiro. Desta vez detalhando a prática do rearrolhamento de vinhos de guarda. A opinião dele está no texto. Eu confesso que teria certo receio em executar esta prática. Qual a opinião dos amigos? Aguardo os comentários! Boa leitura!

Rearrolhar um vinho. Você sabe o que significa?

Certo dia, dialogando com um confrade, comentei sobre o fato de que algumas vinícolas, tanto no Brasil como no Mundo, praticavam o rearrolhamento dos vinhos, ou seja, a substituição da rolha de cortiça antiga por uma nova. Ele ficou surpreso com tal situação, e como passou alguns anos que havia lido sobre o referido assunto, procurei me aprofundar e pesquisar como essa prática acontece nos tempos atuais.

Rolha 1

 

Para minha surpresa, o rearrolhamento do vinho foi recentemente comentado pelos respeitados Luiz Cola e Marcelo Copelo, ao publicarem artigos que comentavam sobre essa prática em questão. Assunto inclusive tratado pela Revista Adega comentando sobre o referido serviço da vinícola Australiana Penfolds.

Luiz Cola, no seu artigo “10 safras de 10 décadas diferentes: CVNE (Rioja)” (https://blogs.gazetaonline.com.br/vinhosemaisvinhos/2010/09/10-safras-de-10-decadas-diferentes-cvne.html ) comenta sobre a incrível experiência de ter participado de uma degustação de 10 Safras de 10 décadas diferentes, representada pelos vinhos de 1917, 1928, 1939, 1947, 1953, 1968, 1970, 1987, 1995 e 2004, todos em perfeita condições de apreciação, que honrou da tradição da Vinicola Compagnia del Norte de España (CVNE), e seu mais famoso vinho, o Rioja Gran Reserva Imperial. E como a CVNE não pratica, e é contra o rearrolhamento dos vinhos, sob a alegação de que prejudica a integridade dos vinhos e altera suas características, foi uma surpresa todas as safras estarem em perfeitas condições de serem apreciadas e com rolhas integras.

Já Marcelo Copelo trata da matéria ao comentar sobre a forma de se abrir os vinhos antigos e com rolhas prejudicadas utilizando a saca-rolhas de pinças ou a tenaz em seu artigo “A maneira tradicional de abrir velhas garrafas de Porto, sem o saca-rolhas.” (http://www.marcelocopello.com/post/a-maneira-tradicional-de-abrir-velhas-garrafas-de-porto-sem-o-saca-rolhas ). No aludido artigo ele comenta sobre o processo de rearrolhamento dos vinhos do Porto que é praticado por algumas casas de Porto, as quais procedem ao rearrolhamento dos vinhos a cada 25 anos. Isso nos casos de Portos Vintage, visto que, a sua vida é mais duradoura do que a vida útil de uma rolha de cortiça.

Clique aqui e veja como utilizar um saca-rolhas de pinças

Nota-se que são dois pontos de vista contrários. O que mais intriga são os procedimentos adotados pela Vinícola Penfolds em sua clínica de vinhos antigos. A mesma não só troca a rolha do vinho antigo, como completa a garrafa com o mesmo vinho das safras correspondentes. Isso foi detalhadamente explicado pela Revista Adega em sua recente matéria “Saiba como completar o nível de vinho perdido com os anos.” (https://revistaadega.uol.com.br/artigo/vinho-velho-novo-em-folha_10180.html ).

Esse procedimento vem sendo realizado desde 1991 e tem o nome de “Recorcking Clinics” e consiste em clínicas de rearrolhamento com a presença de Peter Gago (Enólogo da Penfolds), que chega a examinar e rearrolhar mais de 500 garrafas por dia. Consta que de 1991 até a presenta data já foram realizados mais de 120 mil rearrolhamentos. No entanto, todo esse procedimento é feito dentro de uma conformidade de fatores e elementos que envolvem a certeza de se abrir a garrafa, as condições que o vinho está, a cor do vinho, e demais características. Até porque, o risco que se corre de perder o vinho com o processo é um risco calculado e devidamente alertado aos donos das garrafas que levam os vinhos para realização dos serviços. Portanto, a decisão final cabe ao dono do vinho dentro de um contexto de argumentos e exames apresentado pelo Enólogo da vinícola que está realizando o procedimento de análise.

rolhas 3

 

Mas, se você acha que apenas a Penfolds faz esse tipo de serviço, é um engano. A clínica de rearrolhamentos de vinhos foi uma criação do Château Latife-Rothschild, que realizou nas décadas de 1980 mais de 2 mil rearrolhamentos. Assim como, os Château Latour e Cheval-Blanc também realizavam essas clínicas.

Contudo os Châteaus bordaleses suspenderam os serviços das clínicas por  força da crescente onda de vinhos falsificados. Suspeitando-se, que os serviços ainda sejam praticados de modo privado e em sigilo.

rolha 4

Assim, dentre as grandes vinícolas, temos a Penfolds e a Italiana Biondi-Santi, onde o serviço de rearrolhar se denomina “Ricolmatura”.

E qual seria sua opinião sobre o assunto? A minha opinião é que é um serviço que deve ser praticado, completando o vinho, se for o caso, com o correspondente da mesma safra, evitando-se uma perda maior do precioso líquido adegado durante anos e anos.

Entretanto, cuidados devem ser tomados para que se evitem fraudes ou desgaste da imagem com vinhos prejudicados. Exames são necessários e devem ser pontualmente realizados antes da investimento em rearrolhamento dos vinhos.

Ivan Ribeiro do Vale Junior.
Sommelier Profissional e WSET 2.
Advogado.
Membro da Confraria Mês Que Vem Tem Mais.
@ivanrvalejr
@confrariamesquevemtem

16 comentários em “Curiosidades sobre Rearrolhamento de Vinhos.

  1. O programa da Penfolds chama Rewards of Patience e foi criado para demonstrar o potencial de guarda desse vinho Australiano. Os grandes Chateaus só fazem o rearrolhamento wuando comprovada a origem da garrafa. Imagine você manter o recibo de compra de um vinho por tantos e tantos anos. É desafiador. Alguns como o Yquem não fazem e é considerado um dos vinhos mais longevos que existem.

    Curtido por 2 pessoas

    1. As “Recorcking Clinics” tem o programa completo, tanto dl rearrolhamento como do complemento do vinho com a mesma safra. Por isso, a Penfolds programa de tempos em tempos as safras que irão passar pela Clínica e onde elas irão funcionar. Isso ocorre, no máximo, 3 vezes ao ano. Valeu, Mazon!!

      Curtido por 1 pessoa

  2. Excelente matéria mestre Ivan. Acho que temos muito a explorar nessa linha como por exemplo: Evolução rolhas de cortiça últimos anos; Rolhas mistas ou semi sintéticas; buscar respostas para: Rolhas antigas permitiam maior oxigenação?
    Parabéns Ivan e Rodrigo matéria sensacional para debate e aprendizado

    Curtido por 2 pessoas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s