O Vinho Falsificado e os Riscos à Saúde

O vinho falsificado se prolifera, e com isso aumentam também os riscos à saúde, visto que o vinho falsificado não é inspecionado e nem regulamentado e pode conter ingredientes tóxicos, conforme alertam os especialistas em saúde.

As notícias sobre as trágicas mortes de turistas americanos na República Dominicana em maio de 2019 criaram um frenesi da mídia. Havia pelo menos nove mortes com circunstâncias semelhantes nos últimos meses e o FBI e as autoridades dominicanas estão investigando, mas a principal teoria é que o álcool foi a causa dessas mortes. O FBI teria coletado amostras de álcool para testes, e os hotéis onde alguns turistas morreram removeram o conteúdo alcoólico dos minibares, nos quartos. 

Muitos podem achar intrigante que o álcool, particularmente o álcool adulterado ou falsificado, possa ter causado essas mortes. Mas, especialistas parecem concordar que os sintomas e as circunstâncias se encaixam nos indicadores de mortes causadas pelo álcool adulterado.

O álcool falsificado ou produzido ilegalmente (e isso inclui os vinhos), traz um novo nível de risco para a saúde, pois não é monitorado para segurança e pode incluir ingredientes tóxicos, como o metanol e os fluidos de embalsamento corporal, conhecidos por serem extremamente prejudiciais à saúde. Álcool falsificado ou ilegal faz parte de uma categoria maior descrita como álcool “não registrado” porque não aparece nas estatísticas oficiais e não é monitorado quanto à qualidade ou tributação.

A Organização Mundial da Saúde estima que 25% do álcool consumido em todo o mundo não é registrado e pode conter algum tipo de falsificação.

O álcool falsificado como vinhos finos e bebidas caras, geralmente se parece com o álcool legítimo em termos de aparência, sabor e embalagem. Mas também existem outros tipos de álcool considerados tipicamente ilegais, como o álcool “moonshine” ou “bootleg”, ou simplesmente o álcool produzido sob processos menos rigorosos e que adicionaram ingredientes para tornar a produção do álcool mais rápida ou mais barata.

Um dos aspectos principais do álcool falsificado ou ilegal é que os produtores destilam o álcool de maneira mais barata e rápida, usando atalhos perigosos no processo, como a adição de água e metanol, também conhecido como álcool metílico, que é altamente tóxico. O metanol não se destina ao consumo humano e pode causar danos ao fígado, cegueira e morte se consumido. No início deste ano, o álcool tóxico matou pelo menos 154 pessoas na Índia porque estava contaminado com metanol. Às vezes, quem produz álcool falsificado adiciona ingredientes não apenas para torná-lo mais barato, mas também para melhorar o sabor ou aumentar o teor alcoólico. Os ingredientes adicionados podem variar.

A INTERPOL afirma que o álcool falsificado é uma das principais preocupações em todo o mundo. Em 2018 informou que, durante uma operação de grande porte, 16.000 toneladas e 33 milhões de litros de alimentos e bebidas falsos e potencialmente perigosos, foram apreendidos em um valor estimado de US$ 117 milhões. Na Europa, os vinhos estão entre os cinco principais setores com vendas perdidas por falsificações. A lista com os vinhos mais falsificados está abaixo:

Os Vinhos Mais Falsificados do Mundo

O vinho falsificado está se tornando cada vez mais comum e agora representa um mercado de bilhões de dólares. Na China, por exemplo, o vinho falsificado é tão comum que foi referido como uma epidemia, especialmente em termos de vinhos mais finos. Segundo a Forbes, os compradores asiáticos compreendem a maioria dos compradores de vinhos finos (60%) vendidos nos leilões da Sotheby em todo o mundo. 

risk3

Ainda mais recentemente, em maio de 2019, uma operação na Ucrânia apreendeu uma grande operação de bebidas alcoólicas falsificadas, incluindo vinhos.

A realidade é que o álcool falsificado ou tóxico é comum em muitos lugares do mundo, mesmo em lugares que você não pode esperar. Portanto, da próxima vez que você viajar e buscar uma bebida alcoólica, principalmente um vinho ou uma bebida mais refinada, dê uma segunda olhada nessa garrafa e certifique-se de sua procedência.

Mitos e Verdades sobre Vinhos Falsificados

Cuidados assim evitam riscos potências à saúde!

 

 

12 comentários em “O Vinho Falsificado e os Riscos à Saúde

  1. Ótima matéria Sitta. Tive um tio, que tomava Whisky, morreu depois de ingerir uma quantidade muito grande dessa bebida, o corpo foi para o IML e identificaram uma alta presença de Metanol. Foi bem complicado para liberar o corpo, porque pensaram que ou era suicídio ou homicídio. Como ele era alcoólatra começou consumir essa bebida de fontes bem duvidosas. Que pena que isso esteja chegando aos vinhos, precisamos sempre ficar de olho!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s