VIK x VIK A – Desafio do Custo x Benefício.

Amigos,

Supondo que o preço não fosse um impeditivo, qual seria a melhor opção de compra?

Uma garrafa de um dos melhores vinhos chilenos, por cerca de R$ 950, ou uma garrafa de um vinho chileno com um dos melhores custo x benefício que conheço, por cerca de R$ 170,00 (preços da Wine para não-sócios)?

Pergunta difícil de responder! E para tentar obter a melhor resposta o Blog realizou há alguns dias, por sugestão do confrade José Eduardo, uma degustação vertical de todas as safras do VIK (2009 a 2013) e todas as safras do VIK A (2011 a 2016).

IMG_20200129_101230_088

Mas, antes dos detalhes da degustação, vamos saber um pouco mais de uma das principais vinícolas chilenas:

A Viña Vik

O empresário norueguês Alexander Vik decidiu, em 2004, criar um vinhedo excepcional para produzir um vinho único. Para atingir esse objetivo e encontrar o melhor terroir, reuniu uma equipe de enólogos, climatologistas, geólogos, e engenheiros agrônomos para pesquisar na América do Sul, um local com solo e condições climáticas ideais para a viticultura. O resultado desse trabalho o levou a adquirir 4.325 hectares no Chile, em 2006.

O local escolhido foi o Vale Millahue, chamado pelos índios de ‘Golden Place’. Este vinhedo, localizado dentro do vale entre inúmeras ravinas, oferece uma variedade de terroirs incomparável, pequenos microclimas, com ótima exposição ao sol e sempre banhados por uma brisa fresca do litoral, propiciando a complexidade necessária para produzir vinhos de grande qualidade.

A Viña VIK tem em seu portifólio apenas três vinhos tintos: VIK, La Piu Belle e VIK A (Milla Calla).

A Maior Vertical de Don Melchor da História

A pergunta que não quer calar!

O Milla Cala e o VIK A são o mesmo vinho?

Minha resposta é “muito possivelmente”. Comparei as fichas técnicas das 6 safras de ambos e elas são 100% idênticas. Questionei o Diretor Comercial da VIK que informou se tratar de vinhedos distintos, o que justificaria a diferença de preço entre os dois vinhos no Brasil.

Nas provas que realizei, não notei qualquer diferença entre ambos, mas isso é assunto pra outro Post.

A Degustação

As provas dos 11 vinhos aconteceram em 5 flights:
– 1° Flight – VIK 2011 e VIK A 2011.
– 2° Flight – VIK 2012 e VIK A 2012.
– 3° Flight – VIK 2013 e VIK A 2013.
– 4° Flight – VIK 2009 e VIK 2010.
– 5° Flight – VIK A 2014, VIK A 2015 e VIK A 2016.

A ficha técnica dos vinhos está na tabela abaixo. Vale ressaltar que todas as informações foram retiradas do site da vinícola, onde não é disponibilizada a informação da safra 2009 do VIK e somatória de algumas das composições não chega a 100%.

VIK

VIK 2009: um pouco mais apagado que as demais safras, apesar de ser um excelente vinho. Mostra que foi se aprimorando ao longo dos anos. Nota: 4,3 estrelas.

VIK 2010: na minha opinião o segundo melhor da noite, provavelmente próximo ao auge. Nota: 4,6 estrelas.

VIK 2011: o primeiro da degustação já mostrou muita qualidade, como teve menos tempo de decantação, evoluiu bastante em taça. Nota 4,5 estrelas.

VIK 2012: o melhor da noite por quase unanimidade, vinho pronto mas que pode ser guardado por alguns anos e ainda deve ganhar complexidade. Elegante e potente ao mesmo tempo. Nota: 4,8 estrelas.

VIK 2013: a safra mais recente do ícone da vinícola também agradou bastante. Mostra que é um vinho bastante consistente e já pode ser considerado um dos principais do Chile. Nota: 4,5 estrelas.

VIK A 2011: ótimo vinho, principalmente considerando seu preço no Brasil. Quem guardou essa safra acertou, evoluiu e ganhou complexidade. Nota: 4,2 estrelas.

VIK A 2012: assim como com o VIK, 2012 foi a melhor safra. Recebeu inclusive os votos de alguns dos participantes do evento como um dos três melhores vinhos da noite. Nota: 4,3 estrelas.

VIK A 2013: ainda em ótimo nível para um vinho nessa faixa de preço. Mantém a qualidade das safras anteriores. Nota: 4,1 estrelas.

VIK A 2014: ratifica a avaliação das safras anteriores. Ainda pode evoluir. Nota: 4,0 estrelas.

VIK A 2015: recomendo guardar por alguns anos na adega. Bem melhor que o 2016 mas abaixo das demais safras. Nota: 3,8 estrelas.

VIK A 2016: bastante abaixo das demais safras, talvez por ser o mais jovem. Acredito que os anos em adega farão bem ao vinho, mas esperávamos mais. Nota: 3,6 estrelas.

O que vale mais a pena?

Mesmo depois da degustação não é fácil responder essa pergunta. Muitos fatores precisam ser levados em conta como ocasião, safra, situação financeira, etc.

Algumas safras do VIK são bem superiores mas as safras envelhecidas do VIK A diminuem bastante a diferença de qualidade entre os vinhos.

Sugestão de Vinhos com Boa Relação de Custo x Benefício.

A única certeza é que o incremento da qualidade não é linear ao aumento de preço (5 ,58 vezes mais). Mas isso nós sempre soubemos, até porque essa relação costuma ser desta forma no Mundo dos Vinhos!

Fontes:
https://vikwine.com/es/vina-vik/

16 comentários em “VIK x VIK A – Desafio do Custo x Benefício.

    1. Ótima iniciativa essa vertical e bem interesante a questão envolvendo esse “mistério” sobre o VIK A no Brasil. Bem, o rótulo só vi por aqui. Estive na vinícola e não o vi entre os vinhos oferecidos e integrantes do portifólio dela. Enfim, não entendo a razão da vinícola não ser assertiva sobre essa questão. Sobre a relação preço/qualidade a justificar a disparidade de preços, coincidentemente, estava vendo uma vertical com o EPU em que uma participante colocava essa questão. Não haveria uma diferença de qualidade tão acentuada com o Almaviva que justifique tamanha distância nos preços. Mas penso que isso é mera estratégia para valorizar o topo de gama e posicioná-lo no mercado premium e junto à crítica especializada. Bom carnaval Rodrigo!

      Curtido por 1 pessoa

      1. Esse tema do EPU é muito interessante mesmo. Viajo muito a Santiago e gosto bastante de comprar em uma loja chamada BB Vinos. Em conversa com o pessoal de lá, uma das donas afirmou que esteve presente em uma seleção de EPU e Almaviva e que a escolha é feita pelo enólogo no dia do envase, que ele prova os barris e define. Ou seja, o cuidado na produção é o mesmo, cabendo ao produtor a decisão pelo paladar. Não sei até onde é verdade, mas vale compartilhar.

        Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s