Douro Boys

Olá,

Com certeza você já ouviu falar na parceria de vinícolas para a produção de grandes vinhos.

Um grande exemplo é o famoso chileno Almaviva, cuja primeira safra foi em 1996, resultado da parceria entre a gigante Concha y Toro com a icônica Baron Philippe de Rothschild. Outro exemplo é o Cheval des Andes, parceria entre o Chatêau Cheval Blanc e a Terraza des Andes. Ambos inclusive já foram tema aqui no Blog, em grandes degustações verticais onde pudemos comprovar o sucesso das parcerias.

Cheval des Andes; História, Curiosidades e Degustação Vertical.
+
 Almaviva; Curiosidades e Degustação Vertical na M1LL1UMM.

Em Portugal também existem algumas parcerias, mas a de maior sucesso e prestígio com certeza é a Douro Boys, projeto original e muito bem sucedido que teve início em 2003, quando cinco dos mais tradicionais produtores do Douro uniram-se com o objetivo de promover conjuntamente a própria região produtora. O nome “Douro Boys” teve como objetivo ressaltar seu caráter informal, presente também em suas atividades e na forma de divulgá-las. Até hoje não tem estatuto formal nem entidade jurídica constituída. Só a marca é registrada.

Aliás, o Douro Boys era um dos vinhos da minha Wish List de 2021. Tive o prazer de degustá-lo graças ao confrade Daniel Dalzochio, que organizou um evento repleto de outros grandes vinhos de Portugal, onde provamos a primeira safra do vinho, a 2005.

Os participantes

Cinco das mais prestigiadas vinícolas do Douro estão representadas neste projeto: Quinta do Vallado, Quinta do Crasto, Quinta do Vale Meão, Van Zellers & Co. e Niepoort.

Douroboys3.jpg

O projeto surgiu de um objetivo comum: fomentar a apreciação da notável qualidade e carácter dos vinhos de mesa do Douro em todo o mundo, e mostrar que sua qualidade e carácter, que são pelo menos tão notáveis ​​como os prestigiados vinhos do Porto.

Pode-se dizer que, tal como nos vinhos, a fusão das personalidades e personagens que formar esse projeto, resulta num “Cuvée” perfeito de enólogos. São eles:

João Ferreira Álvares Ribeiro e Francisco Ferreira (Quinta do Vallado): produzem vinhos de elevada qualidade a uma escala considerável e recebem milhares de hóspedes todos os anos nos seus dois hotéis no Vale do Douro, tornando-os protagonistas do enoturismo português. 

Cristiano van Zeller (Van Zellers & Co.): tem uma pequena, mas impressionante, Quinta bem no meio de um vale íngreme, onde produz vinhos com uma estrutura bem definida e e muito elegante. 

Francisco “Xito” Olazábal (Quinta do Vale Meão): é quem mantém a tradição da vinificação no Douro. Uma das razões é que é descendente direto de Dona Antónia, a lendária Grande Dama do Douro. O resultado da sua paixão e arte são vinhos com uma delicadeza incrível e uma suavidade fascinante. 

Os vinhos da Tómas e Miguel Roquette (Quinta do Crasto): são da autoria do enólogo Manuel Lobo e são muito tradicionais, mas também cientificamente precisos. A vinícola funciona com tanta precisão que os vinhos aí criados falam verdadeiramente do terroir e das uvas. Mas, para apreciar plenamente a atmosfera do local onde são produzidos, deve experimentar a hospitalidade descontraída dos Roquette. 

Quinta do Crasto por Tomás Roquette.

Por último, mas não menos importante, temos Dirk van der Niepoort (Niepoort): a mente criativa por trás do ambicioso grupo. O seu espírito inovador e a profunda valorização das tradições da região têm sido os dois motores do desenvolvimento do Douro nas últimas décadas. A sua crença apaixonada no potencial do Douro levou muitos outros enólogos a produzir vinhos de mesa com uma paixão como a sua, mas com uma visão própria e única.

Douroboys

Desde a criação do projeto, eles já organizaram inúmeras apresentações profissionais, seminários e degustações por todo o mundo, divulgando o conhecimento e a apreciação dos vinhos do Douro.

O vinho

Denominado ‘Douro Boys Cuvée 2005, o vinho é um blend das melhores barricas selecionadas pelos cinco produtores que formam o projeto: Niepoort, Crasto, Vallado, Vale de Meao e Vale Dona Maria. Para que vocês tenham ideia da exclusividade deste vinho, foram produzidas apenas 712 garrafas Magnum numeradas.

Lançado somente em safras consideradas excepcionais, o Douro Boys Cuvée, até agora somente três safras contaram com o lançamento do vinho: a primeira 2005, a icônica 2011 e a mais recente 2017.

Abaixo nossa impressão sobre o vinho:

Douro Boys Cuvée 2005: um tinto formidável. Aromas de frutas vermelhas com notas de cacau e cravo. Em boca é potente e equilibrado, com taninos macios e notas de frutas em compota, chocolate, tabaco e couro. Final bastante persistente. Apesar dos seus mais de 15 anos tem longa janela pela frente, entretanto acredito estar na sua melhor janela de consumo. Nota V3 – 98 pontos.

Obrigado confrade Dalzochio pela incrível experiência e que venham as próximas.

Bons vinhos a todos!

Fontes:
https://www.douroboys.com/pt/

11 comentários em “Douro Boys

  1. Excelente post. Belíssimo evento para homenagear uma das mais importantes iniciativas já feitas no mundo do vinho. Dá para acreditar que houve um tempo em que o Douro era conhecido “apenas” pelo vinho do Porto ???

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s