Desafio Douro 2011 x Alentejo 2011

Amigos,

Antes de mais nada, gostaria de dizer que não é nada fácil reunir em uma única degustação treze dos principais vinhos portugueses, do Douro e do Alentejo, de uma mesma safra. Agora imagine se os vinhos forem de uma das principais safras da história de Portugal, a mítica 2011?

Foi isso que o confrade José Eduardo idealizou para comemorar seus quarenta anos. Um almoço com treze dos principais ícones de Portugal, em sua safra mais especial. Muitos dos quais já não se encontra para comprar em Portugal ou estão a preços exorbitantes. 

Foi inesquecível!

A safra 2011

De acordo com a Wine Spectator, a safra 2011 do Douro é a melhor até hoje, sendo classificada com 97 pontos.

Se considerarmos a avaliação de Robert Parker, para todas as regiões de Portugal, a safra 2011 continua sendo uma das melhores da história, com 94 pontos, atrás somente da 2017 que recebeu 95 pontos.

Vintage4

Agora, de acordo com a Wine Enthusiast, a safra 2011 de todas as regiões de Portugal recebeu 95 pontos, atrás somente das mais recentes 2015 e 2016 que pontuaram 96.

Vintage1

A Degustação

Os treze vinhos foram servidos ao mesmo tempo, durante um almoço no Restaurante Casa Santo Antonio, acompanhados de espumantes e brancos de Portugal.

wp-1636938232805

Confira nossa notas abaixo, de acordo com a sequência de serviço:

1. Vinha Maria Teresa 2011, Quinta do Crasto: o campeão do evento. Um field blend de vinhas velhas (mistura de cerca de 30 castas), com envelhecimento em barricas novas de 225 litros (85 % carvalho francês 15 % carvalho americano) durante 20 meses. Nota V3 – 99 pontos.

2. CV 2011, Van Zellars & CO:  produzido à partir de uma mistura de mais de 41 castas diferentes, como Rufete, Tinta Amarela, Tinta Francisca e Sousão com estágio de 21 meses em barricas de carvalho francês (75% novas). Nota V3 – 96 pontos.

3. Abandonado 2011, Alves de Sousa: corte de Tinta Amarela, Touriga Franca, Touriga Nacional, Sousão e outras 20 castas autóctones de vinhas de mais de 80 anos e passagem de 19 meses em barricas novas de carvalho francês e português. Nota V3 – 95 pontos.

4. Pintas 2011, Wines & Soul: na sua safra de 2011, o Pintas se tornou o vinho tinto português mais bem avaliado na história da Wine Spectator, com 98 pontos. Field blend de vinhas velhas de 79 anos com cerca de 30 castas autóctones diferentes. e passagem de 20 meses em barricas novas de carvalho francês. Nota V3 – 93 pontos.

5. Douro 2011, Quinta do Vale Meão: corte de 55% Touriga Nacional, 34% Touriga Franca, 6% Tinta Barroca e 5% Tinta Roriz. Estágio em barricas (80% novas e 20% de segundo uso) de 225 litros de carvalho francês.. Nota V3 – 94 pontos.

6. Auru 2011, Quinta do Portal: corte de 65% Touriga Nacional, 30% Tinta Roriz e 5% Touriga Franca com estágio de 14 meses em barricas de carvalho francês. Ótimo vinho mas abaixo dos demais, já provei garrafas melhores que essa. Nota V3 – 92 pontos.

7. Mirablis 2011, Quinta Nova de Nossa Senhora do Carmo: primeira safra do vinho e ótima surpresa, uvas Tinta Amarela com  passagem de 12 meses em barricas novas de carvalho francês. Nota V3 – 96 pontos.

8. Chryseia 2011, Prats & Symigton: corte de 56% Touriga Nacional, 30%Touriga Franca, 7% Tinta Barroca e 7% Tinta Roriz – 7%, com envelhecimento de 13 meses em barricas de carvalho francês de 400 litros. Nota V3 – 92 pontos.

9. Legado 2011, Sogrape: confesso que esperava mais desse. Corte de 35% Touriga Franca, 15% Touriga Nacional, 10% Donzelinho, 10% Tinta Roriz, 5% Tinta da Barca, 5% Rufete, 5% Tinta Amarela, 5% Tinta Barroca e 10% outras castas , envelhecido cerca de 24 meses em carvalho francês. Nota V3 – 95 pontos.

10. Torre 2011, Herdade do Esporão: corte de Touriga Franca, Alicante Bouschet e Syrah proveniente de vinhas de 25 anos, envelhecido por 18 meses em barricas de carvalho e mais 36 meses em garrafa. Nota V3 – 93 pontos.

11. Zambujeiro 2011, Quinta do Zambujeiro: segundo colocado no geral, tem como detalhe curioso os 16% de graduação alcoólica. Corte de 33% Petit Verdot, 27% Alicante Bouschet, 27% Cabernet Sauvignon, 13% Touriga Nacional e 24 meses de estágio em barricas de carvalho francês (100% novo). Nota V3 – 97 pontos.

12. Mouchão Tonel 3 – 4 2011, Herdade do Mouchão: único varietal da degustação. Uvas 100% Alicante Bouschet com estágio de 36 meses em tonéis de 5000 litros e mais 24 meses em garrafa. Nota V3 – 95 pontos.

13. Pêra Velha Grande Reserva 2011, Pêra Grave: corte de Syrah e Alicante Bouschet com estágio de 24 meses em carvalho francês e americano. Nota V3 – 94 pontos.

Uma degustação para comprovar a incrível qualidade dos vinhos portugueses. Todos esses ícones da safra 2011 ainda podes ser guardados por bons anos. 

Parabéns José Eduardo. Muita saúde!

10 comentários em “Desafio Douro 2011 x Alentejo 2011

  1. Concordo com vc com relação ao Legado, achei que ele se sairia melhor, o mesmo digo do Quinta do Vale do Meão, que eu acreditei que comporiam o podium com o Maria Teresa….faltou apenas o Pera Manca e Barca Velha dos ícones…baita degustação!

    Curtir

  2. Encontro espetacular. Não poderia ter sido melhor, José Eduardo. Parabéns!!! O empenho em reunir durante 4 anos esses vinhos nos regalou uma dádiva.
    Creio que é importante também dizer que fizemos uma avaliação (não foi às cegas) em duas etapas: na primeira, todos os participantes indicaram os 5 melhores vinhos, sem conferir nota a cada um ou classificação entre eles. Os cinco que somaram o maior número de pontos foram:
    Maria Teresa = 14
    Zambujeiro = 11
    CV = 10
    Pêra Velha = 09
    Abandonado = 7
    Na segunda rodada, os participantes indicavam os 3 melhores dentre esses 5, registrando o seu predileto, o segundo e o terceiro. Essa votação resultou no seguinte resultado:
    1º) Maria Teresa = 35 pts (“apenas!”)
    2º) Zambujeiro = 19 pts
    3º) CV e Pêra Velha = 8 pts
    5º) Abandonado = 6 pts
    Maria Teresa é simplesmente impressionante. Em outra ocasião, que reuniu diversos vinhos top portuguêses, o da safra 2009, oferecido pelo Tavinho, foi unanimidade. Todos votamos nele para o primeiro posto

    Curtido por 1 pessoa

    1. Curiosamente o maria teresa 2009 foi o “vinho da minha vida” onde reina soberbo também…..espero logo ter uma oportunidade de provar o 2011. Nesse momento, acreditam que o 2011 está melhor que o 2009 ou ainda não???

      Curtido por 1 pessoa

  3. Que gostoso ler este post Sitta. Vinhos portugueses são minha paixão e pelo que notei, minha preferência por vinhos com uvas originárias de Portugal saiu-se bem ficando o Douro com os primeiros lugares, certo? Parabéns!!

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s