AALTO Bodegas y Viñedos – História, Curiosidades e Degustação

Olá,

No início deste mês fui convidados por alguns amigos do grupo do Blog, que moram na região de Alphaville, para uma degustação de alguns vinhos da vinícola espanhola AALTO, que está situada em Ribera del Duero. A degustação e jantar aconteceu no restaurante El Uruguayo.

Eu tenho ótimas recordações dos vinhos dessa bodega, principalmente das safras mais antigas do seu ícone, o AALTO PS, que na minha opinião faz frente aos grandes vinhos da região e por um preço muito melhor. A safra 2006 foi a melhor que provei até hoje!

Nessa degustação, como vamos falar a seguir, ficou evidente a influência da safra nos vinhos. Detalhe que só percebemos em degustações verticais. Mas, antes, vamos conhecer um pouco mais da moderna vinícola.

História e Curiosidades

projeto AALTO nasceu no mês de fevereiro de 1999, na prestigiosa zona vinícola de Ribera del Duero, Espanha. O objetivo de seus fundadores, Mariano García e Javier Zaccagnini, em AALTO, foi elaborar um vinho que mostrasse uma personalidade diferenciada, de altíssima qualidade e que fosse um reflexo fiel de diferentes povoados (onde estão localizados os vinhedos), criando um corte, no final do processo de envelhecimento, que pudesse obter equilíbrio e complexidade.

Uns anos mais tarde, em 2006, as famílias Masaveu e Nozaleda, proprietárias de vinícolas em outras zonas vinícolas da Espanha, se incorporaram na AALTO, trazendo mais experiência e estabilidade ao projeto. Isso significou a consolidação da vinícola até os dias de hoje.

Desde o começo, em 1999, e até a colheita de 2004, a elaboração dos vinhos foi realizada em instalações arrendadas em Roa (Burgos). Enquanto o projeto se consolidava, eles começaram a procurar um local ideal para situar uma nova vinícola própria. O local selecionado foi uma belíssima parcela de 15 hectares pertencente ao limite municipal de Quintanilla de Arriba (Valladolid).

A primeira fase da nova vinícola foi concluída em 2005, sendo esta colheita a primeira elaborada nessas novas instalações. O moderno desenho selecionado para esta nova construção foi idealizado seguindo exclusivamente critérios de máxima qualidade. A arquitetura da bodega está perfeitamente integrada à paisagem, numa zona muito característica da Ribera del Duero, com um desenho linear e harmônico, sem ostentação, com detalhes minimalistas, elegantes e confortáveis. Uma segunda parte do edifício, correspondente à parte mais social da adega destinada também ao enoturismo, foi finalizada no ano 2016.

Mariano García, um dos sócios, é o Diretor Técnico da vinícola desde o primeiro dia. Ele estudou na “Escuela de la Vid y el Vino”, em Madrid, e fez a sua primeira colheita em 1968, na prestigiada vinícola Vega Sicilia, onde desenvolveu a sua carreira profissional como Diretor Técnico da bodega durante 30 anos, até 1998. Como enólogo, Mariano García controla com firmeza os rendimentos, respeitando ao máximo as uvas e sua filosofia de intervenção mínima, buscando a máxima expressão do terroir em cada parcela. Os vinhos da AALTO unem potência e estrutura com elegância e complexidade.

Atualmente, a AALTO possui 130 hectares de vinhas velhas de clones autóctones de Tinto Fino, distribuídas em mais de 200 parcelas localizadas em 9 municípios diferentes, pertencentes à Denominação de Origem de El Duero.

aalto3

Devido às diferenças de altitude e à climatologia, os vinhedos de cada município têm diferentes datas de maturação ideal, sendo colhidos individualmente. Cada vinhedo, próprio ou arrendado, é cultivado seguindo as rigorosas diretrizes dos enólogos, ao longo de todo o ano, com cultivo sem herbicidas nem fertilizantes químicos, com podas curtas e com todo o processo de cultivo das uvas focado na qualidade. A idade das vinhas velhas oscila entre os 40 e 100 anos, de muito baixo rendimento e qualidade excecional.

A Degustação

Ao todo degustamos cinco vinhos de três distintas safras. O AALTO nas safras 2016, 2017 e 2018 e o AALTO PS nas safras 2017 e 2018.

IMG-20220820-WA0008

Um ponto curioso foi perceber a influência da safra nesses vinhos. De acordo com a classificação das safras de Ribera Del Duero feitas por Robert Parker e pela Wine Spectator, a safra 2016 é a melhor das três provadas, seguida pela 2018 e depois a 2017. Essa foi exatamente a mesma percepção que tive dos vinhos.

AALTO 2016: Disparado a melhor safra das três e talvez tenha sido o melhor da noite, superando o próprio PS. Uvas 100% Tinto Fino com passagem de 17 meses em barricas de carvalho francês e americano (50% novas) e 14,5% de graduação alcoólica. Nota V3 – 96 pontos.

AALTO 2017: uvas 100% Tinto Fino com passagem de 16 meses em barricas de carvalho francês e americano (50% novas) e 14,5% de graduação alcoólica. A mais mineral de todas as safras, um pouco mais apagada que as demais, mas são detalhes que somente percebemos em uma degustação vertical. Nota V3 – 92 pontos.

AALTO 2018: uvas 100% Tinto Fino envelhecido por 16 meses em barricas de carvalho francês e americano e 15,0% de graduação alcoólica. É um vinho mais quente que as demais safras, com notas de baunilha e chocolate, taninos macios e final aveludado. Nota V3 – 94 pontos.

AALTO PS 2017: Da mesma forma que seu irmão mais novo, a safra 2017 precisa de mais tempo na adega. Está mineral e mostra bom potencial de evolução. Uvas 100% Tinto Fino com passagem em barricas novas de carvalho francês por 19 meses e 15,0% de graduação alcoólica. Nota V3 – 94 pontos.

AALTO PS 2018: Excelente vinho produzido de uvas 100% Tinto Fino com passagem em barricas novas de carvalho francês por 19 meses e 15,0% de graduação alcoólica. Aromas de frutas vermelhas, groselha e canela. Em boca é potente, estruturado com taninos firmes e final largo. Nota V3 – 96 pontos.

Em resumo são vinhos de ótima qualidade, que fazem jus ao objetivo de seus fundadores e com um preço mais acessível em relação a muitos dos principais vinhos de Ribera del Duero.

Obrigado aos amigos do grupo pelo convite, e bons vinhos a todos!!

Fontes:
https://aalto.es/pt-pt/

3 comentários em “AALTO Bodegas y Viñedos – História, Curiosidades e Degustação

  1. A polêmica dos 2 vinhos serem tão bons quanto os primeiros nunca acaba..hahahaa….Ansioso por tomar esse rótulo, e feliz com a descrição, visto que tenho uma 2006 devidamente adegada!

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s