Um Novo Amarone!?

Por Alessandro Calbucci

Em valpolicella está ocorrendo uma silenciosa revolução, ou seria melhor dizer restauração?

O grande Amarone, opulento e musculoso, “ciccione” (gordo) como dizem os italianos, está sendo questionado! Um novo estilo, mais fácil de harmonizar, está tomando seu espaço.

Harmonizado com comida, com acidez mais acentuada e com menos potência  está se tornando a nova moda da produção das muitas vinícolas. Pesquisando na história e escutando as histórias, descobrimos que mais que uma novidade, este estilo slim era o estilo tradicional, quando as safras eram mais frias, e quando os pais do Amarone faziam um vinho mais austero.

É assim que você pode se deparar com um vinho de cores, aromas e sabores muito diferentes, porém existem alguns grandes-pequenos produtores capazes de apresentar vinhos que são a síntese perfeita dos dois estilos!

Pensando no Amarone como todos nós o conhecemos, aquele vinho que um só gole preenche o nariz e a boca como poucos outros vinhos do mundo, vale a pena citar vinícolas como Fratelli Vogadori, Recchia, Zenato, Venturini, Le Salette. O Forlago dos Fratelli Vogadori é um Amarone opulento, com aromas intensos e persistentes de chocolate e licor de cereja. Venturini além do Amarone Clássico, produz o Amarone Campo Masua, com inconfundíveis aromas de charuto e tabaco doce. Isso para não falar da Reserva Especial, cujo bouquet transborda de aromar terciários.

Agora, entre os “restauradores da tradição”, o mais significativo é sem dúvida Ca’ La Bionda’, que apresenta vinhos “suíços “ por precisão , elegância e alta acidez. Cores claras que quase parecem um Nebbiolo. Antolini, Viviani e Santa Sofia são outra vinícolas que seguem este estilo e oferecem vinhos elegantes, subtis como não esperaríamos de um Amarone!

A Antolini , em Marano de Valpolicella, merece um destaque para a capacidade dos seus vinhos em manter uma bela potência aromática e gustativa apesar da obsessiva busca de frescor e elegância. O Amarone Ca’ Coato tem uma identidade própria, que se destaca do convencional. 

No meio, ou talvez seria melhor dizer, acima de estes dois estilos, encontramos o grande ícone de Valpolicella, Quintarelli, capaz de combinar, com maestria única, potência e elegância. Quintarelli foi o “pai“ do Amarone: transformou um vinho humilde e desconhecido em um vinho nobre e mundialmente cobiçado.

A experiência de visita e degustação na vinícola não tem preço. Ao custo de 50 euros para visitar a nova adega subterrânea, um verdadeiro templo! E depois, uma degustação inesquecível de 6 vinhos da linhas Quintarelli: um branco , o Valpolicella Primo Fiore , o Valpolicella Superior , o Rossi del Bepi (o Amarone feito nas safras não perfeitas e que não “merece” o nome de Amarone), o Amarone Clássico e o Alzero ,vinho maravilhoso dedicado à senhora Quintarelli (um Cabernet Franc com método Amarone ). A lenda diz que se alguém quiser comprar mais de 6 garrafas, isso não é permitido! O custo dos vinhos é muito alto, mas a qualidade e a áurea são indiscutíveis!

+ Giuseppe Quintarelli.

A vinícola Zymé é uma exceção na região. Essa vinícola tem um impulso internacional tanto nos vinhos quanto no approach comercial. Uma vinícola contemporânea ao nível das grande vinícolas do novo mundo, com um enoturismo bem estruturado e sobretudo uma linha de rótulos “internacional”. Para completar os vinhos de Valpolicella, o Clássico, o Superior, o Amarone e o Amarone Riserva, há uma multiplicidade de rótulos suis generis. É possível encontrar um Oseleta varietal, um corte Bordalês e o vinho ícone da casa, o Arlequim, feito com uma combinação de 16 variedades tintas e brancas.

Depois muitas viagens nessa pequena sub-região do Vêneto, situada á 15km ao noroeste de Verona, pude notar que o mapa da Valpolicella clássica que está se delineando. Há uma espécie de cote gauche e cote droite, só que neste caso não é um rio que divide, mas um estilo. De um lado está quem acredita e aposta em um Amarone elegante, com acidez acentuada e inspirado pela finesse, como produziam seus avós. Do outro está quem acredita e aposta no super Amarone inspirado na opulência e que acha o seu momento melhor longe dos pratos, um vinho para grandes ocasiões, para acompanhar uma conversa após as refeições ou até se tornar um companheiro de meditações e contemplações!

E você, qual seu estilo de Amarone?

Alessandro Calbucci
Wine Researcher and Beachtennis Ambassador

Um comentário em “Um Novo Amarone!?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s