Vinhos para Compra de Caixa

Por Fernando Procópio

Li há pouco, no Instagram, um post do mestre Daniel Chaves (@danivinho), registrando que apesar de ele não repetir vinhos, isso não é uma regra absoluta porque, por exemplo, ele estava provando um Marques de Riscal e admitiu que desse ele volta a provar com certa frequência.

Sei também que muitos pensam da mesma forma que o Daniel Chaves. O próprio Rodrigo Sitta costuma repetir poucos vinhos.

Como já disse aqui, tenho menos resistência a repetir. Mas – claro! – só vou atrás de alguns de que gosto muito. Aí, chego a comprar de caixa.

Em um ou outro caso, compro caixa de um vinho que me agradou bastante, mas não é disso que estou falando. Refiro-me àquele que, por safras seguidas, e durante anos, provo e sempre com o mesmo prazer. Não são aqueles vinhos mais caros, nem são do dia a dia, ficam em uma faixa intermediária de preço,

Vou puxar pela memória e provavelmente vou cometer alguma injustiça, esquecendo-me de alguns. Vamos lá:

  • Reserva Rioja – Marques de Riscal , para acompanhar o Daniel Chaves
  • Marques de Casa Concha – Concha y Toro.
  • Brunello di Montalcino – Tenuta Il Poggione .
  • Il Bruciato – Bolgueri – Antinori
  • Lauri Viana Blend – Lauri Viana.
  • EQ Pinot Noir – Matetic.
  • Vina Alberdi Reserva – La Rioja Alta.
  • Cabernet Franc – Churchill.
  • Cortes de Cima Tinto – Cortes de Cima.
  • Torrontés – Yacochuya.
  • Torrontés – Colomé.

E você? Qual o vinho que o faz repetir ou mesmo comprar caixa? Deixe sua lista de favoritos nos comentários!

Fernando Procópio
Apreciador de Vinhos

34 comentários em “Vinhos para Compra de Caixa

  1. Mestre, mais uma excelente contribuição. Como você bem disse, eu não costumo repetir muitos vinhos mas tenho alguns poucos com mais de uma garrafa na adega.
    Minhas dicas, considerando o custo x benefício, são:
    – Lindaflor Malbec e Blend da Monteviejo.
    – Prelúdio Blanco e Tinto da Família Deicas.
    – Reserva Syrah e Trincadeira da Ermelinda Freitas.

    Curtido por 1 pessoa

    1. Nada más as escolhas Sitta: Deicas é o máximo; Lindaflor são fantásticos (e que grande encontro on-line tivemos com o enólogo Marcelo Pelleritti!) e os vinhos da Tia têm um custo mais do que adequado para a qualidade que entregam.

      Curtido por 1 pessoa

  2. Ótimo post!
    Meus vinhos para comprar de caixa tem sido:
    – Crasto Vinhas Velhas
    – Esporão Private Selection branco
    – Monteviejo Lindaflor Malbec
    – Cobos Bramare (os 3, CS, Malbec Valle de Uco e Malbec Lujan de Cuyo)
    Saúde!

    Curtido por 3 pessoas

    1. Atualmente não compro mais de caixa, já comprei bastante e em função disso ainda me resta alguns para repetir e acompanhar evolução.
      Segue :
      – Marques de Riscal
      – belo e velho Cateninha
      – Prelúdio (Tinto e Branco).
      – Lindaflor Malbec e Blend
      – Quinta da Bacalhoa.
      – Quinta da Leda
      – Churchil ( tinto e espumantes)
      – EPU

      E alguns clássicos champagne ( que não há como não repetir) e Nacionais como Cave Geisse.

      Basicamente esta lista!

      Saúde meus amigos e parabéns pela matéria provocante Procópio!

      Curtido por 1 pessoa

      1. Nilton, você tem essa vantagem de ter comprado de caixas para guardar. Então, quando abre,- como aquele Marques de Riscal 2005 outro dia – é um espetáculo. A evolução desses vinhos faz com que ampliem a qualidade que já têm. Belíssima lista!

        Curtir

  3. Ótima reflexão amigo e mestre Procópio

    Eu confesso que não tenho nada contra repetir muitos rótulos, principalmente os que eu classifico como excelente custo x benefício

    Já os vinhos de custo elevado, eu concordo em tentar adquirir para provar, a maior variedade possível, ou no mínimo safras diferentes para avaliar

    Alguns dos vinhos que sempre repito com frequência:

    Brasil – Os insólitos (tinto e espumante da Tenuta Foppa e Ambrosi), Casa Valduga (espumantes 130, e vários rótulos tintos), Valmarino (principalmente os tintos)

    Argentina – DV Catena (malbec malbec), Almanegra, Bramare Malbec e Angêliza Zapata Malbec

    Chile – Vik A e Coyam

    Abraços e saúde a todos

    Curtido por 2 pessoas

    1. Grande JP. Creio que você foi quem descobriu ou difundiu os Insólito. Ainda não provei, mas muito bem falados. Esse 130 me cativa. Os Valmarino são excepcionais. Òtimas escolhas tanto dos argentinos, quanto dos chilenos. Poderia ter acrescentado à minha lista o Almanegra, Angelica e Coyam. Mas, todos excelentes “companheiros”.

      Curtido por 2 pessoas

  4. Olha, bom saber que tenho 2 dessa lista aqui esperando:

    Brunello di Montalcino Riserva 2010 – Tenuta Il Poggione (esse estou bem na dúvida sobre abrir. Safra histórica, bom produtor, não quero errar o timing) .
    Il Bruciato 2014 – Bolgueri – Antinori (esse comprei por indicação do Dani Vinho no IG). sem dó de abrir.

    Confesso que eu também não compro rótulos repetidos, só se forem saras distintas. Marques de Casa y Concha sempre me decepcionou para ser sincero…

    Curtido por 1 pessoa

    1. Marcéu, então temos o mesmo gosto. Tenho o Il Poggione safras 2010 e 2012, mas não são Riserva. Já abri um 2010 e estava esplêndido. E já faz uns 2 anos. Uma amiga havia estado na Itália logo que as vinícolas soltaram essa safra e já registrou que os Brunello que tomou estavam prontos. O Il Bolgueri deve estar ótimo. Provei recentemente o 2017 e não sosseguei enquanto não achei uma caixa. Saúde!!

      Curtido por 1 pessoa

      1. Opa, bom saber que não preciso segurar tanto mais, apenas achar o dia correto. Il Bolgueri está na fila esperando a vez dele, que não deve demorar mais que 2 meses!!

        Saúde Procópio!

        Curtido por 2 pessoas

  5. Acho que todos os amantes do vinho gostam de experimentar novos vinhos, mas sempre acham os seus queridinhos kkkk
    Alguns que pra mim vale comprar de caixa: vinha das mouras reserva; lidio carraro elos; felix blend 2013; Black tears; mosquita morta tinto; fuego blanco flintston; ar guentota…
    Além de muitos outros….

    Curtido por 1 pessoa

    1. Paulo, sou fã do Félix, esse blend de Malbec e Tannat de vinhas centenárias. Esse Black Tears é um coice. kkkk. Não conheço esse Fuego Blanco Flinstone. Vou atrás. Obrigado pela dica

      Curtido por 1 pessoa

    1. Toni, só posso ficar lisonjeado com esse “empate”. Estranhamente, só provei uma vez o Vik A. Mas, tenho cá umas duas safras. Agora, me deu maior vontade de abri-los. Forte abraço!

      Curtido por 1 pessoa

  6. Belo post, Comendador!
    Particularmente, não me importo em repetir rótulos. Faço com frequência. Gosto de avaliar a evolução da safra e entre safras também.
    Meus vinhos para comprar de caixa são conhecidos.
    – Espumante Victoria Geisse
    – El Enemigo e Angélica Zapata (Chardonnay)
    – Chateau Montelena – Chardonnay
    – Rutini Gewurztraminer
    – Angélica Zapata (todos os tintos)
    – Marques de Riscal (tinto)
    – Fair Niente Cab. Sauvignon e Chardonnay
    – Silver Oak
    – Esporão Reserva
    – Quinta do Crasto Vinhas Velhas

    Curtido por 2 pessoas

  7. Belíssimo artigo, meu caro amigo!
    Concordo contigo. Queridinhos que não faltam na adega por aqui são:

    Banfi Centine – Toscana (indicação sua);
    Crasto Superior – DOC;
    Felino Chardonnay;
    Veuve Clicquot Brut;
    Emiliana Coyam;
    Vila Antinori.

    Curtido por 2 pessoas

  8. Boas sugestões!
    Vinhos para repetir e comprar de caixa, pelo ótimo custo x benefício:

    – Felino Malbec – Cobos
    – LindaFlor Malbec e Blend – Monteviejo
    – Arnaldo B Gran reserva – Bodegas Etchart
    – Duas quintas branco – Ramos Pinto
    – Brioso – Susana Balbo
    – Expresivo – BenMarco
    – Reserva Tannat – Bodega Garzón

    Curtido por 2 pessoas

    1. Matheus, da sua lista, poderia incluir na minha o Felino (toda a linha), os Monteviejo, que são excepcionais, o Brioso (ou qualquer outro dessa feiticeira que é a Susana Balbo), BenMarco Expresivo (que evolui maravilhosamente bem, e o Garzon Tannat. Os dois outros não provei, mas vou atrás. Obrigado pela dica.

      Curtir

  9. Ótima postagem Fernando.

    Como a maioria não costumo repetir os vinhos, estou na fase de aprendizado e querendo conhecer de tudo um pouco.

    Mas se tem um vinho com lugar cativo aqui na adega, e que como você disse, ” àquele que, por safras seguidas, e durante anos, provo e sempre com o mesmo prazer” sem dúvidas é o Esporão Reserva.

    Safra após safra ele me entusiasma.

    Saúde.

    Curtido por 2 pessoas

    1. Vicente, também sou fã do Esporão Reserva. Tive a oportunidade de provar um 2011, que estava espetacular. Batia a cabeça na parede porque tentei comprar mais, mas havia se esgotado. Gosto bastante também do branco. Esses alentejanos são demais.

      Curtir

  10. Eu repito vinhos, apesar de sempre procurar safras diferentes; mas nem sempre há disponíveis, e tenho sido eclético entre velho mundo e novo mundo. Aqui me refiro mais a Argentinos e Brasileiros (mais recentemente) e Portugueses e Espanhóis. Gosto de repetir Chardonnays Argentinos (os medianos pra cima). Ha alguns vinhos Brancos de fato que repito sem dúvida, como os da Bressia, Pascual Toso, Luca. Mas como a variedade (felizmente) é grande principalmente tintos, atualmente é raro eu repetir. Apesar de ser um explorador de estilos.

    Curtido por 2 pessoas

    1. Alexsander, também sou bem eclético. Você tem razão: com tamanha variedade, fica um pouco complicado repetir. Mas, se me agrada muito, vou atrás e espero bater aquela saudades para abrir.

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s